Olá! Fale conosco no Whatsapp.

Blog

Oftalmologia para idosos: cirurgia ocular ajuda a melhorar a qualidade de vida na terceira idade.

Oftalmologia para idosos: cirurgia ocular ajuda a melhorar a qualidade de vida na terceira idade.

02/12/20 - Notícias

Se você acha que não vale a pena realizar cirurgia ocular na terceira idade, vamos te motivar a rever essa crença. A cirurgia ocular é uma ótima opção para resolver de forma eficaz alguns problemas de visão comuns após os 60 anos. Além disso, as consultas de rotina ajudam a prevenir e tratar cedo as doenças oculares que podem causar cegueira.

Cuidar da visão é essencial em qualquer idade. Mas, neste texto, vamos focar em explicar como a baixa visão afeta a rotina do idoso, quais as doenças oculares mais comuns nesta faixa etária e quais delas exigem correção cirúrgica.

 

Quais os riscos para o idoso com baixa visão?

O avanço da idade facilita alguns problemas de saúde, mas o idoso não precisa conviver com eles só porque são comuns da sua faixa etária. Prevenir e tratar doenças ajuda o paciente a ter maior autonomia e bem-estar, por isso sempre vale a pena investir em cuidados com a saúde.

O idoso com olhos saudáveis tem maior destreza para realizar tarefas simples do dia a dia, como dirigir, costurar, cozinhar, ler e usar eletrônicos. Por outro lado, o paciente com baixa visão tem dificuldade em perceber detalhes e distâncias, ficando mais propenso a quedas e acidentes domésticos. Além disso, como os ossos também ficam mais frágeis nessa fase, esses pequenos acidentes aumentam o risco de fraturas e outras complicações.

A idade também é um fator de risco para doenças crônicas e metabólicas como, por exemplo, pressão alta e diabetes. Essas condições de saúde facilitam a incidência de doenças oculares, como catarata, glaucoma e retinopatia diabética. Portanto, os exames e as consultas periódicas são ainda mais importantes nessa fase da vida.

 

Veja as 4 doenças oculares mais comuns em idosos

1. Presbiopia

A presbiopia é a condição conhecida como “vista cansada”, causada pelo envelhecimento dos olhos. Ela é um erro de refração que ocorre porque o cristalino (lente natural do olho) fica menos flexível com o tempo e perde a capacidade de se adaptar à mudança de distância.

Essa doença ocular afeta a visão de perto. E um dos sinais mais comuns da presbiopia é afastar os objetos, esticando o braço, para ler melhor.

Assim, é seguro afirmar que todas as pessoas após os 40 anos terão algum grau de presbiopia. Ela é uma doença ocular que não possui prevenção, mas o paciente pode retomar a visão nítida com o uso de óculos, implante de lentes ou cirurgia refrativa.

 

2. Catarata

Marcada pela visão turva e esbranquiçada, a catarata ocorre quando o cristalino fica opaco e bloqueia a entrada da luz que forma a imagem na retina. Os sintomas são: sensação de névoa diante dos olhos, perda da percepção de contraste e visão com halos brancos ao redor das luzes.

A catarata pode afetar um ou ambos os olhos, e a única forma de tratar é por meio da cirurgia. A doença evolui muito rápido, por isso o paciente com catarata deve realizar consultas a cada 6 meses.


3. Degeneração Macular Relacionada à Idade (DMRI)

A degeneração macular é uma doença que está ligada ao envelhecimento e é considerada a principal causa de perda de visão nas pessoas com mais de 50 anos. Ela ocorre quando há dano nos fotorreceptores que ficam na parte central retina, chamada de mácula.

Inicialmente, a DMRI causa visão borrada, pontos luminosos nos olhos e baixa visão em locais escuros ou com pouca luz. Mas a evolução da doença pode causar perda total da visão.



4. Glaucoma

O Glaucoma é uma doença causada pelo aumento da pressão interna dos olhos ou pela alteração no fluxo do sangue que irriga a região. A pressão elevada causa lesões no nervo óptico que podem ser irreversíveis.

Os sintomas mais comuns do glaucoma são: dor nos olhos, dores de cabeça, olhos vermelhos, náuseas, visão turva e pupila dilatada. Como resultado, primeiro o glaucoma afeta a visão periférica, depois a central e pode evoluir para cegueira.


Cirurgia ocular em idosos.

Alguns problemas de visão podem ser tratados com medicamentos ou compensados pelo uso de óculos de grau, mas a cirurgia ocular é uma solução mais eficaz e durável. Assim, levando em conta a dificuldade de mobilidade e memória das pessoas idosas, a cirurgia também é uma alternativa mais confortável e segura para quem costuma perder ou quebrar os óculos com frequência.

 

Veja como é feita a cirurgia ocular.



Correção da catarata: a cirurgia ocular é a única forma de tratar a catarata. Nessa cirurgia, usa-se uma técnica chamada de facoemulsificação, onde o cristalino opaco é removido e substituído por uma lente intraocular com o grau do paciente. Ou seja, além de corrigir a catarata, a cirurgia também ajuda a reduzir erros de refração (miopia, hipermetropia, astigmatismo e presbiopia). Clique para ler mais sobre a cirurgia.

Cirurgia refrativa a laser: essa cirurgia trata os erros de refração que ocorrem porque alterações na córnea ou no cristalino desviam os raios de luz da direção correta. Quando o foco de luz não encontra o ponto ideal na retina para formar uma imagem nítida, ocorre: miopia, hipermetropia, astigmatismo ou presbiopia.
Na cirurgia refrativa, o laser ajusta o formato da córnea e corrige esse desvio, devolvendo a visão nítida ao paciente. Clique para ler mais sobre a cirurgia.


Correção da presbiopia: além da cirurgia refrativa, a presbiopia (vista cansada) também pode ser tratada com implante de lentes intraoculares. Nessa cirurgia, o cristalino é removido e substituído por uma lente multifocal que ajusta o foco de visão em diferentes distâncias. Clique para ler mais sobre a cirurgia.


Vale a pena fazer a cirurgia ocular na terceira idade?

Com a cirurgia ocular, o idoso só tem a ganhar em qualidade de vida. Além de restaurar a visão do paciente, os tratamentos ajudam a cessar outros problemas de saúde que são reflexo das doenças oculares, como distúrbios de sono, dores de cabeça e problemas de coordenação.

Além disso, dispensar os óculos é uma forma de ter mais segurança e conforto no dia a dia. Nesse sentido, o paciente ganha mais independência para aproveitar os momentos marcantes e também os prazeres simples da vida. Dessa maneira, ele será capaz de retomar hobbies e atividades que teve de pausar pela dificuldade de visão.

Não importa se a cirurgia for feita aos 60 ou 80 anos, sempre há tempo para viver novas e nítidas experiências. E a qualidade de visão é fundamental para que isso aconteça.

Cuide da sua saúde ocular, faça os exames de rotina para diagnóstico precoce de doenças oculares e investigue qualquer desconforto na visão.

Clique para conhecer mais sobre tratamentos e exames.